quinta-feira, 21 de novembro de 2013

FARENSE-Oliveirense -- Making off


Revista Adeptos

O novo numero da revista Adeptos já esta disponível na tua curva, com o nosso grupo a ter um bom destaque!!!


O mitico S.Luis!


FARENSE 4-0 Oliveirense

Tal como dizia o nosso amigo Lou Reed, "Um dia perfeito"!
Como evoluíram estes S.S., sinto-me a viver um sonho utópico como muitos perfaziam da nossa dedicação há não muitos anos atrás. A realidade de chegar em cima da hora, bancada despida ao inicio do jogo, ou bem composta consoante o adversário, coreografias a meio gás, animo da bancada consoante a qualidade de jogo...tudo é passado. Sábado, dia de jogo, desta vez contra o Oliveirense as 19h, pelas 14h já estava na sede, poucos ultras ainda, mas os que estavam empenhavam-se em terminar a coreografia inacabada e que muito prometia, ultimados os pormenores, prepara-se a bancada para a chegada dos ultras e juntamo-nos ao convívio na sede que ja estava bem composta. Cerveja fresquinha e a bela da bifana enquanto iam chegando cada vez mais ultras. Preparam-se as bandeiras, pagam-se rodadas, compram-se cotas e bilhetes de jogo, relembram-se jogos passados, enfim...adoro esta confusão dos dias de jogo. 18h, fecha a sede e a bancada começa-se a compor bem cedo. A coreografia estava preparada e consistia na morte na parte central ladeada pelos símbolos S.S., nos olhos da morte e acenderam-se duas tochas o que daria um belo efeito. A terminar duas frases a acompanhar a coreografia," South Side Boys" na parte inicial e a concluir o momento, "Nem a morte nos separa!". Espetacular!! Parabéns a todos os envolvidos, a fasquia cada vez esta mais alta!
Na bancada perto de 150 ultras deram show de bola, já não existem palavras para definir os 90m na vossa companhia!Que jogo!!!Cânticos intensos e sucessivos, pirotecnia, o topo a fazer lembrar as barras Argentinas! E para acompanhar o espetáculo na bancada, o nosso Farense mostrava em campo aquilo que já vem mostrando desde a 6jornadas atrás e brindava o Oliveirense por 4-0! Já não me lembrava da ultima vitória tão folgada. A recuperação continua a já estamos a meia tabela, nem parece a mesma equipa que tanto se criticava a pouco tempo atrás! BRAVO FARENSE! BRAVO S.S.!! Um dia perfeito...











domingo, 17 de novembro de 2013

4 em 1

A minha realidade esta época tem sido negra a nível de presenças, cada vez há menos facilitismos a nível laborais, mas nos últimos jogos tenho-me vingado. Mas essa minha ausência acaba por se refletir a nível do blog, pois ao não estar presente pouco poderei transmitir e acredito que temos sempre uma mensagem a transmiti, algo a refletir de cada jogo, para continuar este nosso crescimento. No entanto vão-me chegando aqui e ali uns textos e crónicas que vou dando o devido destaque sempre que o mereçam, desta vez fui descobrir uma crónica que envolve 4jogos, os quais não pude estar presente e que a considero excelente. Farense - Tondela, Feirense - Farense, União da Madeira- Farense, Farense - Covilhã . 4 em 1, palavras de um ultra, palavras do Velhote!


"Várias vezes digo que a vida de um ultra não é fácil, mas é a vida que alguns de nós escolhemos. E como em tudo na vida, na de ultra não é excepção, existem aquelas alturas menos boas, em que a motivação não está tão em alta. Comigo isso acontece quando a monotonia se instala no meio da bancada. Mas depois ocorre o que vou relatar nas próximas linhas, 4 jogos do meu farense, tão diferentes entre si, tão especiais à sua maneira, que só me faz desejar que haja jogos diariamente. Diz o povo que cada um tem o que merece, pois se eu mereço isto, de futuro quero tudo o que tenho direito.
Jogo1: A coreografia
O primeiro acto desta curta-metragem acontece no S. Luís, num jogo contra o Tondela. Nada como a idealização de uma coreografia para a mobilização das tropas. Desde a época passada que não se via tamanha azafama na sede SS, dezenas de ultras projectando e pintando, muitos metros de plástico e litros de tinta, mais alguns de cerveja e muitas horas diurnas, muitas mais nocturnas. Sem dúvida que a malta gosta é disto. Os ultras quando convocados aparecem e dão o seu contributo. Pois as coreografias SS são sempre um espectáculo e todos sabem que para isso acontecer é preciso todos darem a sua parte. O que alguns idealizam outros concretizam. Os South Side somos todos nós. Aproveitando a embalagem do trabalho da semana, a bancada já estava composta antes do início do jogo. Tudo preparado. Os nossos heróis entram em campo e são brindados com um plástico gigante preto e branco com as frases: Defende o teu Clube… Honra a tua Cidade, cobrindo toda a bancada. Três plásticos mais pequenos com o símbolo da morte, o símbolo SS e o símbolo do Farense sobem até ao meio do plástico gigante. A coreografia saiu bem, altura de recolher tudo, que a malta quer é começar a cantar. Para variar uma semana de trabalho para 5 minutos de bancada. Alguém ao meu lado opina: “Tão pouco tempo, isto é mesmo só pra foto.”Respondo de imediato: Não amigo, não é só para a foto, é para transmitir uma mensagem. Cara de espanto para quem não sente o que nós sentimos. Mas o jogo lá começa e eis que a prestação dos SS até a mim me surpreende. As vozes afinadíssimas ecoavam a um nível há muito não escutado no S. Luís. Normalmente passo o início do jogo a tirar fotos e consoante a composição da bancada consigo prever a intensidade do primeiro cântico. Ou assim pensava, neste jogo descobri que não percebo nada disto. A malta esteve em muito alto nível e foi uma constante durante todo o jogo. Não fomos brindados com golos, mas também não se pode querer tudo na vida!
Jogo2 : A invasão
Eis que para o segundo acto um autocarro à pinha sai de Faro rumo ao Norte, para um Feirense-Farense. Uma paragem a meio caminho para apanhar a malta de Lisboa. E se houvesse alguém que já estivesse sem gás, a entrada daqueles moços até despertou os mortos! Festa rija dentro do Bus SS, festa rija na bancada. Para não faltar à regra, as gargantas apresentaram-se proporcionais às bebedeiras. Bons cânticos. Na minha opinião em termos de prestação de bancada, esta invasão e o jogo anterior em casa contra o Tondela, até a data foram os melhores jogos desta época. As forças policiais é que não acompanharam a festa. Essa malta anda sempre carrancuda e antipática, sempre cheia de regras e trintas e uns. Vivam a vida rapazes e aproveitem para cantar connosco, abandonem as realidades patéticas do vosso dia-a-dia e juntem-se a nós. Ou não. E continuem a descarregar botijas de mace, acompanhadas de bastonadas à sobremesa. Cada um faz o que pode. Ou cada um faz o que lhe mandam? Eu, faço o que quero! Mas enfim, uma boa deslocação com reviravoltas no resultado e com golos. No final, nos penáltis lá abandonámos a Taça de Portugal. Mais uma vez, nem tudo pode ser perfeito.
Jogo 3: A dedicação
Sem descanso aparece o terceiro acto. Mais uma viagem à Madeira, a segunda no mês de Outubro. Certas pessoas que me conhecem minimamente e sabendo desta vida que levo, têm sempre um cliché para mandar quando me encontram. É como diz o outro, um desbloqueador de conversas. Há alguns tempos atrás, aquando da altura negra do clube era do tipo: «Então o Farense ainda existe?» Com o Farense nas bocas do mundo outra vez, a conversa mudou para: «Então ainda segues o Farense… E vais a todas? Ganda maluco» Encolho os ombros e respondo que estou presente quando a vida assim o permite e com muito orgulho. Mas confesso que ir três vezes à Madeira no mesmo mês não é pêra doce, nem para a carteira nem para a família. Mas lá se vai indo, mostrando que o nosso amor é incondicional. E para este fomos seis. O resumo das visitas à Madeira é muito fácil: Coral, Espetadas, jogo e ponchas. Não se passa mais nada nem tem que se passar. No final repetiria tudo de novo, pois as experiências destas curtas viagens ficam bem guardadas nas memórias de todos os valentes que estão presentes. E pode-se pensar que seis vozes são poucas, mas num estádio em que os únicos sons que se ouvem são os berros dos jogadores, seis vozes são uma multidão, mais ainda se forem seis vozes incansáveis durante os 90 minutos. O difícil e cansativo é conversar durante as letras dos cânticos. É do tipo: Faro é a cidade que me viu nascer (então não marcou falta), Farense é o clube que me viu crescer (Dasss é sempre a mesma merda), Desde puto vou à bola para te ver vencer (Bebia agora mesmo uma Coral de penalti), Vou te apoiar mesmo que estejas a perder. Não é fácil! Mais um empate na bagagem de regresso ao continente.
Jogo 4: A Vitória
O quarto e último acto desta peça Ultra, é a cereja no topo do bolo. O resultado final do jogo pouco interessa, mas o maior sonho de todos nóSS é ver o nosso clube na primeira Liga. Para isso são necessárias vitorias. A bancada estava bem composta e os cânticos bem entoados. Tanto apoio, dedicação, devoção e empenho da nossa parte e finalmente, dizem os entendidos, uma bela prestação da equipa a brindar todos os Ultras SS presentes com a segunda vitoria esta época e já la vão quase duas dezenas de jogos. 2 Golos sem resposta fazem renascer a nossa ambição e renova-nos a moral. Sem dúvida um belo tributo daqueles para os quais vai tudo o que fazemos, tudo o que sentimos. Quem sabe se não será o início da escalada até onde pertencemos. Para já o tal desbloqueador de conversa já mudou outra vez: «Atão o Farense lá ganhou?!» Encolho os ombros e já nem digo nada, mas penso cá para mim que já na próxima quarta-feira rumo à Madeira mais uma vez para fazer aquilo que sei e que gosto de fazer melhor. A cantar… Sem parar! 

Desde Sempre… FARENSE… Para Sempre!"

in "http://ultrassouthsideboys.blogspot.pt"

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Palavras que nos tocam!

Por vezes deparo-me com alguns casos que me enchem de orgulho e mostram que estamos no caminho certo! Neste caso em concreto, são palavras de um jovem ultra que nos acompanha a pouco tempo, mas cujas palavras me emocionaram ao mostrar-me o outro lado...o lado de quem cai na doença da clubite, mas que por ela própria encontra o caminho certo. Esta nossa batalha começou a quase 20anos e nunca mais terá termo...ter uma bancada cheia pode ser fácil, mas uma bancada cheia de ultras com mentalidade não é fácil. O crescimento tem sempre o "senão" se não for sustentado, mas exemplos como este só nos mostram que estamos no caminho certo. Partilho com vocês este texto de um jovem ultra. Bravo "Knox"!

"GRAÇAS A "DEUS" SOU FARENSE!
Nasci no Hospital de Faro no exacto momento que o Farense marcava um golo e ouvia-se o São Luís ao rubro na sala de parto.O médico convenceu os meus pais a fazerem-me sócio,e fui durante muitos anos sem entrar uma vez no estádio. Numa familia que não vai muito com o futebol,sem ser os derbies,os pais são do Sporting mas não ligam ao futebol,então o meu avô sportinguista (que saudades avô!) e a minha avó benfiquista doente entraram numa guerra para me tornarem verde,ou vermelho respectivamente.. os subornos de uma avó no natal fazem milagres! De repente sou benfiquista ferrenho.
Clubite instalada. Vejo-me a gritar golo,a sofrer, festejar títulos (não muitos felizmente) de um clube que não é o meu.
Ser de um clube grande é FÁCIL! Tema de conversa segunda-feira com quase toda a gente,ir ao café com os amigos despachar minis e ver o 'nosso' clube na televisão.. e assim foi durante largos anos,uma falsa fé, de apoiar cegamente pessoas que nada por mim fazem,que em nada me representam nem à minha cidade. Houve pessoas que me tentavam levar a ver o Farense,mas eu já estava demasiado toldado e arranjava sempre as mesmas desculpas, "os gajos não jogam nada" , "pagar para ver esses
coxos? e os bilhetes caríssimos!", sem nunca ter lá posto os pés. Ignorante. Graças a "Deus" (com aspas,porque o nosso caminho
somos nós que o fazemos) um dia já embriagado,perante uma proposta de ir a uma deslocação, aceitei. Tudo fez sentido.
Caiu-me a máscara.. mais de 100 Farenses a fazerem quilómetros para irem defender a sua cidade contra tudo e contra todos!
Senti-me estúpido,o que é que eu andei a fazer estes anos todos! O que pensava que era uma paixão,desapareceu dando lugar a um amor eterno! Pensei que fosse da emoção do momento,mas não, ligo a televisão para ver o Benfica e penso"mas quem são estes gajos e o que é que eu tenho a ver com eles?"... NADA! Agora passado uns tempos vejo-me a fazer quilómetros e a gritar não só por um clube mas por uma cidade, pela NOSSA cidade! A ganhar, a perder,na distrital ou na primeira,
o que é que isso interessa,estamos lá e cantamos alto e defendemos o que é nosso. Nasci Farense mas ensinaram-me a não sê-lo.
Tive o privilégio de me reencontrar,de ser algo que sempre fui e nunca me 'deixaram' ser.. Nasci Farense e vou morrer Farense!
Que todos os Farenses se reencontrem com a sua cidade e o seu clube,como eu, que tive a sorte que isso me acontecesse,e contagiem todos os outros para que o caminho de todos nós seja o mesmo!
DEFENDE O TEU CLUBE,HONRA A TUA CIDADE!
ÉS DE FARO,ÉS FARENSE!"


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Desde sempre...FARENSE...para sempre!


Chaves 1-1 FARENSE

Fico sempre com uma enorme tristeza quando não consigo ir a uma transferta, mas esta de chaves foi particularmente dificil não conseguir estar presente. Em 20 anos. tantas transfertas, mas algumas deixaram uma marca especial, seja pelo resultado seja pela por uma alguma história que marcasse a mesma. Faz dez anos em que 9 aventureiros correram Portugal de Lés a Lés e mais 2 de Lisboa, para apoiar o nosso Farense, naquele ano na 2ªLiga, uma viagem repleta de aventuras, a mais dificil e custosa...mas das que mais saudades deixou, " Tamos contigo Cast!" ;). Este jogo acaba por ser especial também para a secção Lisboa, que em chaves seria a sua primeira de muitas presenças a nosso lado ao longo destes 10 anos. Desta vez arrancou de Faro um BuSS repleto de ultras, mas na sexta-Feira já tinha seguido uma carrinhas com ultras dispostos a correr a Nacional 2, começa em Faro e acaba precisamente em Chaves. Um empate com festejos a vitoria! Boa presença, bo postura e excelente resultado!
FORÇA FARENSE




2002/2003


Taça da Liga : Maritimo 0-0 FARENSE